Submarino.com.br
Ipsis Litteris Rotating Header Image

Por onde anda Belchior?

 Belchior1

Já perguntei por Rick Wakeman e por Joe Cocker (duas figuras que fazem falta) e cujo trabalho – acima da média – foi destaque durante os anos 70. Já fui chamado de saudosista, de velho, de setentista, como se três décadas atrás tivessem a distância temporal da Idade Média. Sim, assumo que toda a minha formação musical vem dos anos 70. Foi a partir da segunda metade dessa década – eu aos 15, 16 – que descobri o jazz, o rock progressivo, as big bands e a boa MPB. Foi nessa época, 1977 (mais precisamente), que ouvi Alucinação, disco de Belchior que se tornou clássico. Ok, ok. Duas coisas precisam ser ditas: a primeira: Belchior não era um cantor de grandes recursos vocais. Bem, nem todos nascem Lúcio Alves, Milton Nascimento ou Nelson Gonçalves. Segundo: a palavra Belchior é pronunciada como “Agenor” e “Claudionor”, e não como “suor” e “pior”. Estamos conversados.

Concordo: os discos setentistas de BelchiorA Palo Seco (74), Alucinação (76), Coração Selvagem (77), Todos os Sentidos (78) e Era uma Vez Um Homem e Seu Tempo (79) – são preciosidades em que brilham composições esplêndidas como “Hora do Almoço”, “Paralelas”, “A Palo Seco”, “Como Nossos Pais”, “Divina Comédia Humana”, “Galos, Noites e Quintais”, “Pequeno Perfil de um Cidadão Comum”, “Coração Selvagem”, “Todo Sujo de Batom”, “Apenas um Rapaz Latino-americano” e algumas outras que merecem menção mas desisto de enumerá-las. Belchior era um trovador único, bem à frente daquela rapaziada que povoou a MPB com o nome de Pessoal do Ceará.

Costuma-se falar que Belchior cantava mal. Fala-se o mesmo de Chico Buarque. É um erro. Ambos são afinados e suas vozes são incrivelmente melodiosas, quando necessário. São vozes de pouco alcance, é verdade, mas, no caso de Belchior, ele é o melhor intérprete de suas canções de frases longas, que mal cabem na melodia. E olhe que a intérprete que o projetou foi Elis Regina. Não sei por onde anda. Há alguns anos, encontrei-o num restaurante, em Vitória. Fui até ele, como tiete, e agradeci, com poucas palavras, por algumas composições. Não havia muito o que dizer, e o local era inadequado. As pessoas sabem por que vão a restaurantes: querem comer e beber, apenas.

Não gosto muito dos discos feitos nas décadas de 80 e 90, embora os possua – mas pouco ouço. Seu disco em espanhol, Eldorado, em companhia de Eduardo Larbanois e Mario Carrero, é duro de engolir. Tudo bem: ninguém é perfeito. Realmente não sei por onde anda, mas se Belchior quiser afastar-se dos palcos e dos estúdios, pode fazê-lo. Em paz. Ou até voltar à medicina, curso que abandonou em nome da música. Quem sabe?

Aí vai a discografia.

130 Comentários on “Por onde anda Belchior?”

  1. #1 Fernando Gomes
    on Jul 11th, 2008 at 2:54 am

    Belchior… conheço pouquíssimo do trabalho dele. Uma ou duas músicas no máximo.

    É triste quando bons músicos saem de cena pra dar lugar a tanta bobagem.

  2. #2 DuDu Magalhães
    on Jul 11th, 2008 at 2:57 am

    Cada um segue seu caminho…

    Sempre!

    E curo os discos dele dos anos 80

  3. #3 MARVELous
    on Jul 11th, 2008 at 2:58 am

    Gosto do Belchior retratado por outras pessoas, como Elis Regina, por exemplo.
    Não curto a voz dele, mas concordo que tem letras bem elaboradas e muita coisa legal, mas os últimos dicos deles, em especial Baihuno, não gostei.
    dia desses ele esteve no programa do Raul Gil, chorou e tudo. Aquele melodrama, mas na hora de cantar ele mandou bem
    Té+

  4. #4 Amstalden
    on Jul 11th, 2008 at 2:59 am

    Confesso: aquilo que conheço do Belchior, conheço na voz de Elis. Se fosse me perguntar de alguma música que lembrasse em sua voz, seria “apenas um rapaz latino-americano”. Como cantor, portanto, não vou dizer nada, pois não o conheço tão bem assim. Mas como compositor… ele nos deu jóias de presente que nos valem de um prestígio musical fantástico.

    uma pena mesmo que pessoas assim sumam de cena.

  5. #5 Ane
    on Jul 11th, 2008 at 3:03 am

    Realmente o cara sumiu!!
    Ele me lembra de infância, obiavente por eu ser criança quando ele fazia mais sucesso! As músicas deles são excelentes!

  6. #6 pcod
    on Jul 11th, 2008 at 2:45 am

    Belo post sobre BelchiorApesar nunca mais ouvi noticias dele

    Marina Monteiro Reply:

    Falar de Belchior é coisa muito fácil.
    Desde minha adolescência escuto suas maravilhosíssimas canções. Meus filhos por sua vez também são fascinados pelo suas melodias. Repertório que vem nos acompanhando de geração a geração. Tive prazer de conhcê-lo por intermédio de meu filho Bruno Rafael, que em uma homenagem realizada aqui em Tauá, nos agraciou momento ímpar. “Presentemente eu posso me considerar um sujeito de sorte…”
    Suas letras me servem tanto para o deleite da minha alma como para estudos em sala de aula.(trabalho aliado ao prazer).Dessa forma, multiplico seu nome para outros que só conhecem um tipo de música.
    Para ele ser lembrado, pelo menos no meu caso, não precisa estar na mídia. Ele se encontra dentro das minhas reminiscências.Óbvio, se ele ressurgir em palcos, programas outros, será uma festa para nós seus fãs. Do contrário, terá feito o melhor por nós que o amamos.
    Aqui deixo meu agradecimento pelo legado que ele nos deixa. Seu contributo se eternalizará. Ele é maior do que muitos possam imaginar.
    Que Deus abençõe ricamente a vida dele.

    “Viver é melhor que sonhar…”

    Dignidade sempre!

    Marina,

    Tauá, onde “Viver é melhor que sonhar…” já nos diz Belchior.

    Em tempo:

    (“Vá tome um banho que já tô voltando”
    Belchior sabe do que se trata.)

  7. #7 Breno Lucano
    on Jul 11th, 2008 at 6:43 pm

    Um dos grandes exemplos da MPB. Existe muita gente boa que foi esquecida.

    Fica uma sugestão: gostaria muito de ler sobre outro cantor esquecido, chamdo César Sampaio.

  8. #8 rosangela
    on Jul 11th, 2008 at 6:45 pm

    eu vi alguns filmes dele e sempre gostei de sua intepretação ..

    abç..

    Mari Reply:

    Filmes??? Que filmes???Tá louca ou eu é que estou super por fora? Se não me engano ele é cantor/compositor, e dos bons!

    grijo Reply:

    Essa me passou batido. Obrigado, Mari.
    E reforço a pergunta: que filmes são esses, Rosangela?

  9. #9 F. Grijó
    on Jul 11th, 2008 at 6:56 pm

    Filmes do Belchior?
    Acho que vc se enganou – ou não leu direito a postagem.
    Ele canta; não atua.

  10. #10 Michell Niero
    on Jul 11th, 2008 at 7:07 pm

    Acho que sou o único rapaz de 22 anos que acha o Belchior um compositor excepcional. Tenho todos os álbuns dele dos anos 70 e sofro da mesma rejeição em relação as coisas dele dos anos 80 e 90.

    Gosto principalmente do “era uma vez um homem e seu tempo”. Grande disco, crônicas urbanas únicas e universais, sem deixar de lado o regional.

    Me sinto todos os dias como o personagem de “pequeno perfil de um cidadão comum”. Ele criou o seu jeito de falar do mundo, assim com o Odair José também criou, mas poucos, até hoje, reconhecem o talento deles.

    Fiquei sabendo que ele está trabalhando em dublagens de desenhos animados. Me parece que ele participou daquele “procurando nemo”. Muito pouco, a meu ver, para o brilho de um artista como Belchior.

    DANUBIO DE OLIVEIRA Reply:

    Michell Niero.
    Tenho 47 anos – 30 deles ouvindo Belchior- e meus filhos de 27, 24 e 22 anos também gostam de ouvi-lo. Acredito que seus discos “repaginados” nas decadas de 80 e 90 apresentam aquelas músicas sob uma ótica mais profunda onde a sonoridade apenas deixa de ser o objetivo principal. – a essência é que permanece- Gosto muito do CD UM CONCERTO BÁRBARO porque repagina algumas músicas e me dão a oportunidade de ouví-las com mais “gogó” ou “violão”. acho sua voz única, inconfundivel. Um desses CD’s – ANTOLOGIA LÍRICA – eu adoro e simplesmente não encontro em lugar algum, tenho-o como espetacular, literalmente.

    antonio Reply:

    Michell, vc não é o único cara que acha o Belchior excepcional, também acho e tenho apenas 21 anos. E como é de se esperar é dífiícil mesmo encontrar jovens capazes de ouví-lo e admirá-lo, infelismente. Acredito que jovens como eu e você, temos que chegar ao ponto de criar nosso próprio mundo e fugir-mos das reuniões sobre música dos nossos colegas.Mas isso é bom, nem todos na juventude de hoje sabem o sentido real da música e entendem os grandes poetas e suas obras. Sem exagero, tenho convicção em dizer que Belchior é o maior poeta vivo da nossa música, pena que a “cabeça jovem” dos nossos dias está oca pra o que é bom e sublime…para a poesia transformada em música, do grande poeta Belchior.

  11. #11 Lu Said
    on Jul 11th, 2008 at 8:06 pm

    Não o conheço.
    sorry!

    grijo Reply:

    Não sabe o que está perdendo, Lu.

  12. #12 Lucas Fernandes Alvarenga
    on Jul 11th, 2008 at 8:24 pm

    Bem, o Michell tem 22 anos e acha o Belchior excepcional. Eu tenho 18 e acho o Belchior fantástico.

    Grande intérprete, de voz marcante e composições inenarráveis. Belchior é único entre os nordestinos que despontaram para a música popular brasileira na época.

    Elis Regina se projetou graças a este poeta, inúmeras vezes lembrado em brincadeiras, mas com recursos que vão muito além de uma boa relação com o público.

    Belchior se projetou graças ao seu talento, sem ter que se atirar, gritar ou fazer coisas fúteis para chamar a atenção.

    Ótimo blog! Não me cansando de dizer isso.

  13. #13 F. Grijó
    on Jul 11th, 2008 at 8:32 pm

    Não se desculpe, Lu.
    Ele anda meio sumido mesmo, e há algum tempo não emplaca um sucesso. Não toca nas rádios, não aparece em Faustão nem no Gugu.
    Não é mais popular.

    Lucas, não penso que Elis tenha se projetado por conta de Belchior. Aí vejo um certo exagero, mas concordo que “Velha Roupa Colorida” e “Como Nossos Pais” deram uma boa carregada naquele repertório à base de Ivan Lins & cia. (nada contra, por favor!)

    Elis ajudou Belchior. Ajudou Fagner tb, mas aí já entra uma história sobre ressentimentos e ingratidão.
    Belchior deve a ela, sim, a meu ver. Ou devia: já pagou.
    Abraço e valeu o comentário.

  14. #14 Reporter x
    on Jul 11th, 2008 at 8:56 pm

    interessante!
    eu num conheço muito.
    Olha na minha opnião você podia postar sobre os mamonas
    =D

    grijo Reply:

    Não dá, Reporter X.
    Nem morto.

  15. #15 Antonoly
    on Jul 11th, 2008 at 9:24 pm

    O Belchior realmente não é um Frank Sinatra, mas tem uma voz melodiosa e com timbre inconfundível.
    Um abraço!

    http://www.blowgh.wordpress.com

  16. #16 Nandu
    on Jul 11th, 2008 at 10:08 pm

    Não sabia que ele cursava medicina,bem legal.
    Mas não é um cantor da minha época,e mesmo assim eu sempre ouço falar dele.

    passa lá no meu blog tb!
    abs

  17. #17 talibmoussallem
    on Jul 12th, 2008 at 12:26 am

    Nossa, achei que estivesse no tópico errado, que fosse de Ella fitzgerald. Porém, não. Estou no tópico do Belchior e vi que realmente sou o único que o acho péssimo cantor. Gosto de sua obra, o pouco que conheço, mas dizer que Belchior canta, vai uma distância enorme!!!!

  18. #18 Ed Cavalcante (POST SÉRIES)
    on Jul 12th, 2008 at 12:55 am

    ADORO BELCHIOR!!! UM CL�SSICO DA D�CADA DE 70 E DAS MINHAS AULAS DE VIOL�O. CARA, VC N�O O QUANTO EU TOQUEI BELCHIOR NOS ACAMPAMENTOS DA VIDA. SOBRE O SUMI�O DELE: HA DOIS ANOS FUI A UM “SHOW” DELE NO SEIS E MEIA, VOZ E VIOL�O.UM ESPET�CULO SOFR�VEL. N�O SEI SE ELE ESTAVA NUM DIA RUIM, MAS ESQUECIA AS LETRAS E DEIXAVA A PL�TEIA CANTANDO AS M�SICAS ENQUANTO ELE TOCAVA. MUITO POUCO PARA UM ARTISTA QUE SE CONSAGROU COM LETRAS INTELIGENTES E POLITIZADAS. VOC� CITOU O RICK WACKEMAN. EM 1981,EU TINHA 15 ANOS.FUI AO SHOW DELE AQUI EM RECIFE NO GERALD�O. INESQUEC�VEL! DESCOBRI O ROCK PROGRESSIVO E TODAS AQUELAS VIAGENS DOS TECLADOS!

  19. #19 Douglas Lopes
    on Jul 12th, 2008 at 1:03 am

    Caro Francisco Grijó! Acompanho o IPSIS à bastante tempo – quase o tempo inteiro de vida do próprio, e eu não sabia disso! – apesar de jamais ter deixado um se quer comentário; e primeiramente faço (todos) os (mesmos) elogios clichês mas que são sempre bem-vindos ao blog. Sensacional!!! Sou músico e cresço muito com as indicações/críticas aqui realizadas… Mas enfim…

    Qto ao Belchior (gostei do lance da pronúncia do nome com “o” fechado “ô”) e tbm compactuo com a sua opinião sobre a grandeza deste artista… Gostaria muito de possuir 1/10 da competência dele. Bom, pra vc, deixo um link, de algo não tão novo, mas ainda recente. Trata-se uma parceria dos Los Hermanos (aquela banda de barbudos com sonoridade riquíssima em tempos atuais – pode acreditar) com o próprio Belchior. Eis o link:

    http://www.youtube.com/watch?v=LWEcZv9FWX8

    Um gde abraço à todos e sucesso nos acessos e debates ao IPSIS LITERIS!

    Douglas Lopes
    http://www.bandavoid.com.br

  20. #20 F. Grijó
    on Jul 12th, 2008 at 2:32 am

    Valeu, Douglas.
    Não sabia que Belchior tinha feito parceria com Los Hermanos (que acabam de subir no meu conceito).

    Agradeço seus comentários, camarada.

  21. #21 F. Grijó
    on Jul 12th, 2008 at 2:35 am

    Meu caríssimo Tálib, não acho que Belchior seja péssimo cantor, mas, como eu disse na postagem, ele tem não tem tantos recursos vocais – mas é afinado, melodioso, e é o melhor (a meu ver, claro) intérprete de suas ótimas (quase todas, anos 70) músicas.

    Não é um Agostinho dos Santos, claro, de quem vc é fã.
    Abraço.

  22. #22 F. Grijó
    on Jul 12th, 2008 at 2:38 am

    Ed, lamento ouvir isso, mas acredito que, por não haver muita demanda de seus shows, haja muito desestímulo por parte dele.
    Assisti a um show dele aqui, em Vitória, em meados dos 90, e foi legal. Interagiu com a platéia, cantou antigos sucessos, aquela coisa toda.

    Não deve ser fácil viver num mundo povoado de Chitõezinhos, Leonardos, Ivetes, Xandis e outras insignificâncias legitimadas pela garotada menor mental de 10 anos.
    Complicado demais.

  23. #23 Clarissa ~ Ultraviolet
    on Jul 12th, 2008 at 3:02 am

    belchior… me lembro q minha avo cantava as musicas o dia todo… e o cara some… q triste isso

  24. #24 Lêh e Tay
    on Jul 12th, 2008 at 3:24 am

    Poxa, quem dera eu saber o que comentar nesse blog prestigiado.
    E não, não vou dizer que conheço ou entendo o que diz, pois só tenho 15 anos e algumas informaçoes sobre a vida, mas admiro o gosto (desconhecido) e o interesse pelo tal.

    Sem mais, o blog está lindo e dispensa comentários.

    GOMES, Taynara.

  25. #25 Samilla Fonseca
    on Jul 12th, 2008 at 3:31 am

    Belchior andou pela minha cidade um dia desses (Sobral). Depois de Chico Buarque ele é meu preferido! =D

  26. #26 Marcelo
    on Jul 13th, 2008 at 11:50 am

    Vamos lá Grijó… minha lista é maior do que a sua. rs

    Eu me pergunto por onde anda o Belchior e ainda me pergunto que fim levou…

    O Naim, o Biafra, o Ovelha, o Benito de Paula (desse eu tenho saudades a beça), o Kid Vinil, o Silvinho do Absinto… Um dia estes caras eram figurinhas repetitivas nas rádios…

    Putz, este caras sumiram na poeira das ruas.
    Abraços

    Rosangela Reply:

    O Naim mora no meu prédio…aliás. numa cobertura emprestada e nem paga condomínio…está devendo 70.000 de condomínio….

    grijo Reply:

    Ô Marcelo, sinceramente? Não tenho saudades desse aí – talvez do Benito também, com aquele visual de D’Artagnan que ele tinha. E Kid Vinil mais ou menos porque dia desses ouvi-o afirmando que Roberto Carlos é o maior compositor do país.

    abraço.

  27. #27 F. Grijó
    on Jul 13th, 2008 at 12:15 pm

    É, caro Marcelo, é preciso fazer uma garimpagem na memória nacional e buscar esses caras.
    Desaparcem na poeira provocada pelas rádios e gravadoras.

    Enfim, busquemos.

  28. #28 Everaldo Ygor
    on Jul 14th, 2008 at 6:12 pm

    Olá Grijó!
    Estou de volta deois de uma semana de férias no matagal…
    Não sei por onde anda Belchior, mas eu ando ouvindo o cara ainda, foi trilha dessa minha última “Trip”…
    Abraços
    Vou com calma aprecia e comentár os demais posts…
    Abraços Saudosos
    Everaldo Ygor
    http://outrasandancas.blogspot.com/

  29. #29 rosangela
    on Jul 15th, 2008 at 3:07 pm

    olá ..

    venho me retificar..

    para né falando que ele fez fime..

    foi realmente falta de atenção, pois no momento estava com outro blog aberto onde falava de filmes e tinha uma foto daquela cara que fez o magno… ai me embaralei toda .. escrevi sobre o Belchior no outro blog e vice-versa.. pesso desculpas..

    eu conheço muito pouco as musicas dela …pra falar a verdade quem curte mesmo é meu pai .. e com isso sempre acabo escutando junto …. rsrs

    Até gosto.. rsrs

    abç.. e desculpa..

  30. #30 Net Esportes
    on Jul 16th, 2008 at 9:43 pm

    eu já vi um show do Belchior na praia !!!!!!!!!! era de graça e eu tava de passagem no local !!!!!!!!!!!! o Engenheiros do Hawaii regravou uma música dele que ficou ótima na voz do HG

  31. #31 Margon Dias
    on Jul 23rd, 2008 at 1:11 am

    A crítica não soube ouvir Belchior, teve todo tempo do mundo e não o fez. A classe especializada, se perde quando o assunto é originalidade, se tem uma obra com lugar garantido, na seleta galeria da coerência esta obra é a de Belchior. O limbo que guarda “a voz a voz de faca”, “a lama das botas de Lorcas”, “a armadura do trovador eletrônico” e “o alforge do cauboi delicado do nordeste sentado na esquina do mapa” quarda também o sonho da velha roupa colorida do homem que cresceu por distração.

    Margon dias

  32. #32 anderson serema
    on Sep 19th, 2008 at 12:06 am

    nao vejo belchior ja faz 12 anos mas sua obra esta eternizada p/ vc meu bom e velho amigo abraços e cançoes

  33. #33 vicky
    on Sep 22nd, 2008 at 6:06 pm

    ADORO BELCHIOR!!! Inclusive a sua voz, que combina perfeitamente com a melodia. As letras são perfeitas:

    Contestadoras:

    Que tal a civilização
    cristã e ocidental…
    Deploro essa herança na língua
    que me deram eles, afinal.

    Diz, América que es nossa.
    só porque hoje assim se crê
    Há motivos para festa?
    Quinhentos anos de que?

    Romanticas:

    ..Mas quando você me amar me abrace e me beije bem devagar que é pra eu ter tempo,tempo de me apaixonar…

    Definitivas:

    Saia do meu caminho, eu prefiro andar sozinho
    Deixem que eu decida a minha vida
    Não preciso que me digam de que lado nasce o sol
    Por que sei que bate lá meu coração

    Poéticas:

    Eu não estou interessado
    Em nenhuma teoria
    Nem nessas coisas do oriente
    Romances astrais
    A minha alucinação
    É suportar o dia-a-dia
    E meu delírio
    É a experiência
    Com coisas reais…

    MARAVILHOSO!!!

    Pra escrever botei pra rodar “coração selvagem” a minha preferida e lendo os posts da rapaziada e vendo que muita gente nem o conhece, putz, não vou usar o espaço para criticar o gosto alheio, até porque cada um tem um, mas vale muito a pena conhecer o trabalho deste excelente compositor.
    Música para ouvir deitada no mato, olhando as estrelas, ouvindo o barulho do mar, namorando, bebendo, batendo papo com os amigos…

    Música da mais alta qualidade!!!!

    Marcos Mendes Reply:

    Vc disse tudo!

  34. #34 RENILDO CAMARA
    on Oct 27th, 2008 at 9:02 pm

    Eu não sabia que a galera de 20 anos sabe tanto sobre BELCHIOR.EU sei onde anda BELCHIOR. Ele mora em SAO PAULO E TEM UMA GRAVADORA CHAMADA PARASIO. E TB PINTA QUADROS.
    Está com disco novo.Nao concordo que os discos dos anos 90 e 2000 nao sejam bons.As radios nao tocam, ele nao gosta muito de tv.MAIS FAZ UMA MEDIA DE 120 APRESENTAÇOES EM TODO BRASIL.
    BELCHIOR MUSICOU POEMAS DE C DRUMOND. NA Alemanha FEZ O MAIOR SUCESSO.
    Diego é o maior no violão e acompanha Belchior.
    Eu sou o maior e mais copmpleto fã do belchior, tenho todos os discos e acho todos uma reliquia.
    Ele canta todos os dias na minha casa e no meu carro.

    DANUBIO DE OLIVEIRA Reply:

    Caro Renildo. Lendo esses comentários envolvendo essa Estrela Maior da MPB aproveito a oportunidade p/saber de ti onde poderia encontrar p/comprar o CD ANTOLOGIA LIRICA de 1999? Tenho verdadeiro fascinio pela obra do Belchior, pela sua originalidade, pela inteligência de suas frases – vez por outra me dá um estalo e me descubro cantando suas musicas- marcantes e com tanta sonoridade. Compartilho com os que acreditam que como ele, o país tem pouquíssimos e que tenta preencher o vazio que ele mesmo criou, ouvindo seus CD’s.

  35. #35 RENILDO CAMARA
    on Oct 27th, 2008 at 9:31 pm

    O Vicky SABE DAS COISAS.Belchior já foi comparado e chamado de BOB DYLAN tropical.
    Ele e dono de uma Gravadora PARAISO DISCO.Continua cantando e gravando.As radios querem”jaba” para tocar as musicas novas.Como não sumir!!Djavan, chico,alceu,zé ramalho,geraldo azevedo todos estão fora.Quem aguenta com os chicletes, ivete,beto jaimaca, xande harmonia,parangole, xexeú,tomate,
    Eu sofro em salvador, esses sao os cantores da terra.
    Diz BELCHIOR:PALOMA,VIOLETERA,FEUILLES MORTES
    SAUDADES DO MATÃO E DE MAIS QUEM?
    A MÚSICA BARATA ME VISITA E ME CONDUZ PARA UM
    POBRE NIRVANA Á MINHA IMAGEM.
    NÃO QUERO HANDEL PARA MEU AMIGO NEM OUÇO A MATINADA DOS ARCANJOS.BASTA-ME O QUE VEIO DA RUA, SEM MENSAGEM,E COMO NOS PERDEMOS,SE PERDEU.

  36. #36 Grij
    on Oct 27th, 2008 at 10:05 pm

    É isso aí, Renildo.
    Agora, como faço para ver (ou ouvir) esses poemas de Drummond musicados por Belchior?

    Abraço.

  37. #37 RENILDO CAMARA
    on Jan 1st, 2009 at 11:06 pm

    A”caras” lancou um album em que Belchior musicou mais de 30 poemas e 31 gravuras do Drumond. Eu comprei em uma apresentaçao de Blechior ,aqui em Salvador.
    Segue- Editora caras “em varias caras de Drumond”
    Devo dizer que emociona qualquer cristão, ouvir Belchior cantar(ROSA ROSANE,EU TAMBEM JÁ FUI BRASILEIRO,OS INOCENTES DO LEBRON, QUANDO DESEJOS OUTROS É QUE FALAM, NOVA CANÇAO DO
    DO EXILIO ETC.

  38. #38 Erica
    on Jan 11th, 2009 at 1:07 am

    Pôxa… que honra poder falar de uma pessoa como Belchior…além de compositor, intérprete, ex-professor de biologia, um ser iluminadíssimo… Hoje tenho 33 anos e me recordo de suas músicas cantadas por Elis, Vanusa, por ele mesmo… Apesar de uma menina, eu aprendi desde muito cedo a gostar de boa música… aos 16 anos conheci pessoalmente Belchior, num show na minha cidade.. consegui autógrafo, fotos e muito carinho desse artista, poeta, cantor, compositor… fiquei um tempão no camarim conversando com os músicos… na época conheci o saxofonista que o próprio Belchior chamava de “Lé”… boas lembranças… amo Belchior… acredito que prá tudo há tempo na vida… vivemos épocas de repressão, de ditadura e os artistas tinham propósitos para escreverem suas obras… hoje há liberdade de expressão, mas as pessoas não têm mais criatividade para criar… se não der para balançar a bunda, então não vende… não dá lucro… enfim… sorte daqueles que têm condições de conhecer e chegar até esses nomes da grande MPB (Belchior, Oswaldo Montenegro, 14 Bis, Chico, dentre outros…) porque atualmente a coisa tá feia…

  39. #39 Grij
    on Jan 11th, 2009 at 9:19 am

    Chega a ser uma ironia, não, Erica? Em tempos de repressão, a criatividade era grande. Acho que não são os tempos, na verdade, que determinaram a qualidade do produto. De fato, vive-se uma crise de criatividade muito grande, legitimada, claro, pela maioria dos consumidores, tão medíocres quanto a música que consomem. O axé, o sertanejo, o funk, o pagode, tudo isso está sendo consumido com muita potência nos dias de hoje, e os grandes artistas – aliás, os artistas – ficam em segundo plano. Alexandre Pires vende mais que Chico Buarque. Ivete Sangalo tem mais prestígio que Belchior, e o que a música dela representa em termos de conteúdo? O que tem a dizer? Absolutamente nada. é entretenimento; não é arte. Nada contra o entretenimento, claro, mas que não venha posar de musa de uma geração.

    Obrigado pelo comentário no blog.
    Abraço.

  40. #40 Ariel Hebert
    on Jan 15th, 2009 at 9:41 am

    É incrível como a influência da obra de uma personalidade se perpetra através dos tempos… Às vezes por vias indiretas… Já se vão longe meus doze anos quando escutei a “irônica homenagem” ou “caricatura elogiosa” do sábio bigodudo pelos Mamonas Assassinas e pelo ilustre conterrâneo e também cantautor (explicitamente brega) Marcondes Falcão Maia, enxertando versos de “Divina Comédia Humana” em suas engenhosas e engraçadas modinhas… A maneira empostada de Belchior posicionar a voz o faz ainda mais original, mais particular. Foi durante a faculdade que eu ouvi de verdade. Eu achava engraçado e ria. Mas prestando mais atenção, sentia em mim a vibração que só as grandes vozes podem gerar. Quando ouço os meus discos favoritos do sobralense, os quais, de 79, 84, 87 e 88 (sem desprezar a discografia no todo), ao lado de Bahiuno, sinto orgulho de minha desconhecida genealogia nordestina e sua perene nostalgia (Onde Jazz Meu Coração e Tudo Outra Vez), das crônicas urbanas (Kitsch Metropolitanus), A – esquecida e boa – rebeldia juvenil do rock’n'roll (Na Hora do Almoço, Lira dos Vinte Anos e Os Profissionais)e ademais, a voraz sensualidade dos amores (Paralelas, Todo Sujo de Batom e Elegia Obscena, dentre tantas…). Essa profunda humanidade, aliada à poesia desbocada no dialeto “filosofês”, faz de sua obra rara de beleza e profundidade, que supera qualquer esteticismo afetado e vazio. Não o acho hermético, nem elitista como Tom e “gramatical” como Chico. A propósito, já que Belchior nos desafia a ir além do shopping center, desse dia-a-dia medíocre de pequeno-burguês que fica rico enquanto multiplica e definha de fome de amor, de sentido e direção. A crise de criatividade da indústria cultural é geral, não é um fenômeno brasileiro. Belchior não se atém a preconceitos de origem da pseudo-elite bacharelesca “fin-du-siécle” que insiste em dividir o mundo entre cafonas, bregas, feios, gordos, índios, nordestinos e os chiques profissionais, celebridades descerebradas e outros que boiam na crista da onda nos 15 minutos de fama de Andy, o papa-pop (aproveitando que os Engenheiros sempre remetem a algum termo belchioresco, aliás, também sou fã incondicional). Tudo se aproveita nesse lixão cultural, dizia meu professor de biologia… Ora, se Falcão e Belchior citam Waldick Soriano, Raul Seixas e Engenheiros citam Belchior, tudo se transforma (apesar do chato barbudo do Camelo a palo seco…)! Quiçá, se Ivete investisse em ser intérprete de canções fora do eixo bahiano-carnavalesco, como em outras ocasiões, o faria com maestria tanto quanto uma Elis. Ora, quem somos nós? Existe culpa só abaixo do Equador, lá acima também não apreciam o vendável e o descartável, enlatado ou não? Adoraria ouví-la em qualquer balada do bigodudo. Em resumo, este cantor latinoamericano (sem hífen) nos ensina que preconceito não é nada, que devemos nos olhar e admitir que somos brasileiros (cafonas ou não) e esquecer essa crise de valores e finanças. Belchior é mais vivo do que nós e influencia vocês e eu até agora. E que tudo mais vá para o céu… Parabéns, Grijó!

  41. #41 Grij
    on Jan 18th, 2009 at 2:40 pm

    Parabéns?
    Quem deve parabenizar alguém aqui, Ariel, sou eu. E agradecer a vc pelo comentário arguto e bem articulado. Seria bom se Belchior o lesse porque, de fato, o que vc esreveu é uma louvaão, uma homenagem.
    Valeu mesmo.
    Grande abraço, camarada.

  42. #42 adriano
    on Feb 1st, 2009 at 6:02 pm

    Tenho que começar agradecendo profundamente a este exímio cantor e compositor que revolucionou mentes e expandiu os sentimentos contestadores.Belchior traduz toda emoção que uma musica pode criar,suas letras são vivas,autênticas,genuinas de uma mente brilhante e audaciosa.
    Eu tenho 25 anos e vivo atrvés do artesanato,posso dizer que pelo menos 90% dos meus amigos cultuam o som de belchior.Sem dúvidas ele é o grande mestre vivo da musica brasileira
    Quando observa-se o lixo musical ao qual somos submetidos devotamo-nos muito mais a este gênio.
    Enquanto houver Belchior,vou acreditar na subversividade do ser-humano.
    As mais belas e verdadeiras experiências são as reais.
    Hoje moro em jericoacoara(litoral norte do ceará,150km de sobral)e gostaria muitíssimo de assistir a um show do belchior,se alguém souber desde já agradeço
    Abraços a todos

    grijo Reply:

    Boa, Adriano. Concordo que Belchior seja um subversivo. Não só pelo conteúdo de seus textos (letras), mas também pela forma de cantar e pela capacidade de revelar o que há de mais cru no ser humano. Um grande compositor cuja marca está cravada para sempre na música brasileira.

    Conheci Jericoacoara, camarada. Andei por aí nos anos 80, fui a Canoa numa época em que se dormia em cabanas de pescadores. Mar paradisíaco. Ceará é uma fonte.

    Grande abraço.

  43. #43 Tatiana
    on Feb 3rd, 2009 at 3:24 pm

    Boa tarde,

    Vi que temos algumas mensagens rececentes sobre o Belchior.
    Alguém sabe me informar se ainda ele faz show? Caso positivo, estou a procura do contato, com urgência.

    Obrigada!!

    grijo Reply:

    Fazer ele faz, Tatiana. Assim que vc escreveu esse comentário, fui para a web tentar encontrar uma espécie de “agenda de shows” dele. Nada encontrei.
    Vamos ver se alguém se pronuncia.

    abraços.

  44. #44 adriano
    on Feb 8th, 2009 at 11:53 am

    Belchior não é um gênio incontestavel,porque contestar é uma virtude das mentes revolucionárias,mas ao colocá-lo em xeque se constatará que o que se extrai dele é rara poesia.
    Uma poesia ambígua,forte e sutil,calma e agressiva,pacífica e guerreira…”rara e comum como o amor”.
    “a única forma que pode ser norma é nenhuma regra ter.É nunca fazer nada que o mestre mandar,sempre desobedecer,nunca reverenciar .”

    peço que se alguém souber de algum show dele por favor informe

    valeu grijó

  45. #45 Cintia
    on Mar 30th, 2009 at 5:19 pm

    Preciso sabeeerrr, amo esse cantor!!

  46. #46 Cintia
    on Mar 30th, 2009 at 5:20 pm

    Se alguém souber onde ele estará,
    meu @ é garcia.cintia@gmail.com

    Tks!

  47. #47 Marcia H
    on Mar 31st, 2009 at 6:23 pm

    Deve estar por aí cantando aquelas chatices com a voz saindo demmaaaaiiiiis pelo nariz.
    Puxa…só tem gente elogiando?

  48. #48 TAMARA
    on Apr 17th, 2009 at 2:35 pm

    EU AMO BELCHIOR, TENHO 26 ANOS E APRENDI A GOSTAR DELE DESDE CRIANÇA. E UMA PENA QUE NAO TIVE A OPORTUNIDADE DE IR A UM SHOW DELE O QUE E O MEU SONHO. SE ALGUEM TIVER NOTICIAS DE UM ME AVISEM PELO AMOR DE DEUS!!!!

  49. #49 Ivan Martini
    on Apr 24th, 2009 at 12:19 pm

    Então galera!!! o primeiro e último show que eu fui dele foi em 2007 em Londrina/PR…..depois disso o Bigode sumiu!!! também estou na procura de um show dele, mas tá dificil!! se souber de algo deem um alo!!

    Abraços…

  50. #50 Fernando
    on May 28th, 2009 at 5:10 pm

    Grande Belchior.
    vou ouvindo de vez em quando um disco dele que acho subestimado, Objeto Direto. Tem lá uma composição dele em que ele diz “contemplo o rio/ que corre parado/ e a dançarina de pedra / que evolui/ completamente/ sem meta, sentado/ não tenho sido, eu sou, não serei nem fui”

    Gênio.

  51. #51 Pedro Luiz
    on Jun 1st, 2009 at 1:34 am

    Primeiramente, tenho 19 anos e desde os 10 sou um grande fã do imcomparável Belchior.

    Estou morrendo de medo de passar a minha vida sem ter ido a um show dele, seria um momento muito especial pra mim.

    No mês passado perdi a oportunidade de assistir a um show de Sá, Rodrix e Guarabyra. Quando soube da morte do Rodrix me bateu uma aflição enorme e decidi correr atrás desses momentos antes que seja tarde demais.

    Se alguem souber de qualquer show dele, ou de um número de acessoria, por favor me avise. Meu e-mail é plplima@hotmail.com.

    Grande Abraço e Viva Bel, bastante.

  52. #52 Emerson
    on Jun 29th, 2009 at 7:34 pm

    Nossa que lindo esse blog, estao todos de parabens, fico muito feliz por vcs terem um bom gosto, eu tentei ligar pra um tel de uma acessoria dele, e o rapaz me informou que fazem um ano e meio que ele nao tem not do belchi, se alguem souber de alguma coisa me avisem por favor, abraços e cançoes…

    grijo Reply:

    E comuniquem a este blog, por favor.
    Abraços.

  53. #53 Aguinaldo
    on Jul 17th, 2009 at 3:58 pm

    Renildo,

    Em relação aos poemas de Drumond, eu tinha a informação que o Belchior esteve em Fpolis acerca de 2 anos para musicar a obra de Cruz e Souza. Será que ele fez os 2 trabalhos? ou será que um de nós está equivocado? Tens mais informações sobre este trabalho?

    Os Comentários de Adriano e Vicky são a sintese do que penso deste genial POETA e CANTOR.

  54. #54 Oliveira
    on Jul 31st, 2009 at 12:00 am

    Olá! Gostei do seu blog!!

    POR DOIS ANOS SEGUIDOS (2004 E 2005) BELCHIOR FEZ SHOW POR AQUI NA MINHA CIDADE –ITAJAÍ-SC, JUNTO COM O DIEGO (GRANDE VIOLONISTA).
    (fui aos dois, não podia faltar, adoro BELCHIOR) Ao término do último SHOW …FUI AO CAMARIM e lá conversei com ELE (BELCHIOR)… e uma curiosidade que talvez muito de vcs não sabiam:
    - NUMA CAPA DE CD, AO QUAL ELE (BELCHIOR) ESTÁ COM UM SOBRETUDO LILÁS… (QDO PEDI PARA ELE AUTOGRAFAR) AO VER, DISSE:
    “- FOI O RAUL SEIXAS QUE PEDIU PRA MIM COLOCAR ESSA ROUPA…RSRS…POIS… VAI FICAR LEGAL BELCHIOR… É MUITO SHOW!!!…ENTÃO, COLOQUEI AQUELA ROUPA E BATEMOS A FOTO QUE ESTÁ NESSE CD… PUXA… RAUL ERA DIVERTIDO…MUITO AMIGO…”… É um dos cds que mais gosto…
    E, outra coisa que me chamou atenção e admiração foi qdo ele FALOU COM GRANDE CARINHO DESSA PASSAGEM QUE TEVE COM O AMIGO RAUL SEIXAS… OS OLHOS DELE BRILHAVA AO FALAR DO RAUL SEIXAS… PELO JEITO ELES ERA BONS AMIGOS… CADA DETALHE E ESTÓRIA QUE FALOU QUE DAVA UM LIVRO… D+!!!

    PUXA!! Acho que agora, depois de lembrar dessa passagem vou escutar MAIS UM POUCO “RAUL SEIXAS E BELCHIOR” ESSES CDS NÃO SAEM DO MEU CARRO, NEM DE CASA, NEM DO ESCRITÓRIO…. ESTÃO SEMPRE COMIGO.

    VIVA BELCHIOR E DIEGO, GRANDES!!!!!!

    E VIVA RAUL SEIXAS TBM!!!
    NOTA: Concordo com todos que disseram que REALMENTE ESTAMOS “POBRES E DECADENTES” DE MÚSICAS BOAS ATUALMENTE… E PARA O ESQUISITO Q DISSE QUE “DIFÍCIL ENGOLIR?”…CONCORDO COM ELE EM PARTE QUE… ” É DIFÍCIL SIM… DE ENGOLIR AS MÚSICAS DE HOJE EM DIA!!!”…. QUE DÉCADA POBRÉRRIMA DE MÚSICAS…
    AINDA BEM QUE TEMOS AS MÚSICA DELES…PARA ALIMENTAR-NOS… E “LEMBRAR QUE AGENTE EXISTE,QUE AGENTE EXISTE”…
    VIVA, VIVA…
    BELCHIOR, RAUL SEIXAS, ELIS, ROBERTO CARLOS-50 ANOS DE CARREIRA, CHICO BUARQUE, ODAIR JOSÉ, CAETANO, GILBERTO, ALCEU VALENÇA, ZÉ RAMALHO, DJAVAN, FAGNER, BETH CARVALHO, GONZAGUINHA, FAFÁ, ZECA BALEIRO E PAGODINHO TBM, ALCIONE, CARTOLA, JORGE ARAGÃO E SEM ESQUECER DO NOITE ILUSTRADA,

    ABS A TODOS!!!

    VOLTA BELCHIOR… DÁ-NOS A HONRA DE SUA PRESENÇA POIS, TÁ DIFÍCIL NO BRASIL HJ EM DIA… SE NÃO FOR OS SUCESSOS ANTIGOS!!

    VIVA BELCHIOR…. “POIS SOMOS APENAS, RAPAZES LATINOS AMERICANOS… E, GENTE DA MINHA RUA… QDO EU ANDEI DISTANTE… QDO EU DESAPARECIA ELA ARRANJOU UM AMANTE… AINDA SOU ESTUDANTE DA VIDA QUE EU QUERO DAR!!!… QUERO ESQUECER O FRÂNCES… FAZ, QUE ESTOU LONGE DE CASA… E AQUELE AMIGO CHEIO DE ESPERANÇA E FÉ JÁ SE MANDOU OU,OU…. ”

    VLEU!!! ABS A TODOS, E QUE DEUS ABENÇOE A TODOS VCS, TCHAU.

    grijo Reply:

    É isso, Oliveira. Não imaginei que uma postagem simples como a minha pudesse desencadear tamanha admiração pelo grande Belchior. Sou fã também, como eu mesmo afirmei no texto.
    Essa história com o Raul é boa – um encontro que deve ter sido regado a bons comentários e muitas risadas.

    Abraço, camarada. E obrigado pelo comentário tão sincero!

  55. #55 André Lins
    on Aug 1st, 2009 at 11:53 pm

    Belchior é o que há de melhor na nossa música popular Brasileira. Tem um montão de músicas lindas, que até hoje são desconhecidas pela grande maioria, mas que ao ser escutadas, conseguem penetrar na alma das pessoas. O cara é o poeta da mpb, não existe outro. Assim como o inesquecivel jessé, os dois são raridades da nossa música que hoje anda esquecida.

    http://www.semprebelchior.com

    Abraços e Fuiiiiiiiiiiiiiiiiii

    grijo Reply:

    Valeu o link, André.
    Abraço.

  56. #56 ELMAR JOSE BARBOZA FREITAS
    on Aug 24th, 2009 at 12:10 am

    o belchiior é um tipo de artista raro especial, que hoje não encontramos artista com este perfil que canta e encantada com sua musica real, com suas poesias descritas de formas objetivas e as vezes saudaveis pela utopia que vivemos da nossa juventude e hoje os generos musicais não dizem algo que queremos ouvir e persuadirmos.

    grijo Reply:

    Só não entendi o desfecho de seu comentário, Elmar, mas concordo com o resto.
    Ontem à noite, domingo, coincidentemente vi no “Fantástico” uma matéria sobre Belchior e seu suposto desaparecimento.
    Abraço.

  57. #57 Vladimir Batista
    on Aug 24th, 2009 at 7:00 pm

    Sou Paraense, tenho 52 anos, e aprendi a adorar o eterno e inconfundível Belchior através de suas músicas maravilhosas. Fico extremamente feliz ao ver que muitos jovens sabem discernir o que é boa música e o que é lixo musical. Para mim o Belchior é sim, sem sobra de dúvidas o melhor compositor do Brasil de todos os tempos, não tem igual, a diferença quanto a fazer sucesso na TV e Rádio, vem exatamente da proposta desse artista que não tem base mercantilista, mas somente o desejo de produzir cultura de qualidade, infelizmente artista com essa proposta nem sempre são reconhecidos pela maioria dessa mídia a quem só interessa o que vende pra uma massa de desinformados e carentes de todo o gênero.
    Adoraria ver um shou de Belchior, espero ainda ve-lo aqui em Belém do Pará e poder realizar esse sonho.
    Ele não está sumido, está apenas recrudescido para poder voltar a nos alegrar com todo o gaz e aquele vozerão maravilhoso e inconfundível.
    Beijos ao Belchior e abraços a todos!
    Fico feliz de escrever neste blog, espero em outra oportunidade voltar a me manifestar.

    Flavinha Reply:

    Mas o que é “lixo musical”? Eu gosto de Belchior e dos Paralamas…qual deles é lixo? Posso gostar de Belchior e gostar tb de Calcinha Preta (prá dançar), do Legião e de Beetoven? Não?
    Tô sentindo um certo preconceitozinho nessas palavras…

    Tálib Reply:

    Olha, vou te falar.
    Ficar emocionado com o desaparecimento de uma pessoa é uma coisa.
    Falar que Belchior é um bom compositor, concordo, mas denominá-lo “o maior compositor brasileiro de todos os tempos” é menosprezar Noel Rosa, Pixinguinha, Chico Buarque, Ary Barroso, Lamartine Babo, João Bosco e uma grosa a mais de outros compositores brasileiros que estão milhas à frente dele.
    O “vozeirão” realmente é inconfundível, mas está bem longe de ser maravilhoso…
    Gosto é gosto, mas é para se discutir.

    grijo Reply:

    Sim, Tálib. Sempre fui partidário de que “gosto” é ponto de vista e, como tal, está sujeito a debates, a discussões.

    mariz Reply:

    Belchior: O Maior Compositor Brasileiro de Todos os Tempos!!!

    Tálib Reply:

    Cada um com sua opinião, mas tenha certeza que essa afirmação é atestado de mau conhecimento da música brasileira. Aliás, colocar uma frase perdida com o intuito de causar confusão, sem nada acrescentar, já é – por si só – atestado de ignorância.

  58. #58 Gilson ferreira da Silva
    on Aug 24th, 2009 at 10:39 pm

    Caros companheiros, eu particularmente estou preocupado com o desaparecemento de Belchior. A culpa é da midia e dos idiotas que ouvem rádios onde se tocam aqueles montes de jabás. Belchior e um músico à frente do seu tempo, são composições riquíssimas de detalhes e emoçoes, coisas do cotidiano de todos nós. Ouvir Belchior cantar é como mergulhar em nossos sentimentos e emoções, li muitos alguns depoimentos nesta pagina e percebi que muitas pessoas não o conheceram, e nunca o ouviram cantar. Espero que Belchior, onde estiver esteja bem, espero ouvi-lo cantar para nos novamente..Abraços a todos gilsonf_silva@hotmail.com

    grijo Reply:

    Todos esperamos, Gilson.

    Não me surpreende que um sujeito como Belchior esteja “curtindo” uma desilusão com o que acontece com alguns grandes nomes da emepebê. Não fazer parte da turminha do rádio e competir com axé, sertanejo, pancadão e roquezinho nacional não dá. Não num país como este, que não valoriza os grandes letristas nem dá a mínima para a história de um artista. É uma pena.

    Abraço.

  59. #59 Érico Cordeiro
    on Aug 25th, 2009 at 12:15 pm

    Mr. Grijó,
    Assisti à reportagem do Fantástico e, imediatamente, lembrei do seu texto, antecipando em mais de um ano a pergunta que hoje ganha contorno de mistério.
    Pude assisti-lo em diversas apresentações ao vivo (na última delas, quem abriu o shou foi uma então quase desconhecida Ana Carolina) e embora não o ouça com a habitualidade de antes, é um grande artista, sério, preocupado com as coisas que o cercam e capaz de traduzir em letras sofisticadas inquietações comuns a muitas gerações. Coração Selvagem é um hino.
    Espero que ele esteja bem e que consiga voltar à ribalta de forma digna – e quando a vida nos violentar, pediremos ao bom Deus que nos ajude, falaremos para a vida: “vida, pisa devagar, meu coração, cuidado, é frágil”.
    Abração!!!

    grijo Reply:

    Invejo-te, amigo. Só assisti a um show, ao vivo, de Belchior. Nos anos 90, num bar em Vila Velha, cidade próxima a Vitória. Depois, apenas a nostalgia.
    Sempre ouço, ao menos quando possível. Ele e alguns poucos ainda fazem a emepebê valer a pena. “Coração Selvagem”, “Paralelas” e “Galos, Noites e Quintais” (só para citar músicas de apenas um disco) são obras-primas que meus netos ouvirão. Hinos, sim.
    Abraço, amigo. E mais uma vez obrigado pelos sensíveis – no bom sentido! – comentários.

  60. #60 Edge Ribeiro
    on Aug 26th, 2009 at 8:11 pm

    Caros amigos, Belchior é só poesia, só melodia, só é tudo. Talvez seu sumiço tenha haver com a maldição Nitzniana. Não é fácil carregar essa mochila nos ombros. Suas letras são de uma profundidade tal, que deveriam ser escritas em alemão. Gosto muito. Abração à todos que curtem.

  61. #61 Bruno Guimarães
    on Aug 27th, 2009 at 6:29 pm

    O comentário, a meu sentir lastimável, do Edge Ribeiro me faz lembrar a canção de Caetano que, com ironia (bom esclarecer aos incautos), disse que “se você tem uma ideia incrível, é melhor fazer uma canção… Está provado que só é possível filosofar em alemão”.
    No mais, soube que o Belchior estaria em Acapulco gravando um especial do Programa do Chaves, fazendo as vezes de Seu Madruga…
    Por fim, registro que fui a um show do Belchior no teatro Glória e vi quão genial é aquele sujeito, ele disse ao final que estaria no camarim para receber quem quisesse lhe dar um abraço, e assim o fez com pelo menos umas 100 pessoas…

    Edge Ribeiro Reply:

    ???

    Flávio K. Reply:

    Para mim Belchior é apenas um rapaz latino americano que gostaria de saber cantar mas sua voz anasalada não permite grandes vôos vocais. Só isso. Como compositor, é pífio.

    grijo Reply:

    Compositor pífio, Flávio? Estamos falando do mesmo artista? Recomendo que vc ouça mais detidamente as músicas de Belchior. Pode-se até não gostar delas, mas chamá-las de “insignificantes” denota, para dizer o mínimo, falta de informação.

    Belchior – como poucos compositores de sua geração – maneja bem as metáforas, é rigoroso quanto a expressar a problemática de seu tempo, é antenado com a realidade social, alia bom humor com uma crítica cáustica à mediocridade intelectual, ao mesmo tempo em que é capaz de criar textos e elaborar temas relacionados a camadas desprivilegiadas da sociedade. E vc o classifica como “pífio”?

    Quem é bom, então?

    Edge Ribeiro Reply:

    Olá Bruno…deu pra sacar que você “sente” e interpreta textos como ninguém, mas não me referí a essa passagem de “língua” de Caetano, onde ele faz clara referência ao filósofo alemão Heidegger, pela sua discriminação linguística, e sim, me referí ao filósofo também alemão Nietzsche, onde com certeza Belchior sorveu muitas de suas idéias para compor suas melhores canções. No mais, penso ser, no mínimo, uma tremenda falta de educação, fazer piadinhas comparando um Artista deste nível à estúpidos personagens como o Chaves e Seu Madruga, o que eu acho lamentável.

    Bruno Guimarães Reply:

    Nossa, Edge, você é tão culto, cita Heidegger e Nietzche… Senti como que Zaratustra estivesse falando comigo…. eu, de minha parte, sou humano, demasiado humano, não consigo competir com tanta sapiência…
    seu senso de humor também dá show de bola… (ops… metáforas futebolísticas não cabem ao douto filósofo…)
    a piadinha do chaves foi só isso, uma piadinha…

  62. #62 Carlos Oliveira
    on Aug 28th, 2009 at 12:50 am

    SER SUPERIOR.

    Francisco Campos Reply:

    Superior a quem? às duplas caipíras? Tudo bem…mas o Tálib tem toda a razão. Tenham dó! Belchior é apenas um cantor de segunda…

    grijo Reply:

    Como eu afirmo na postagem, dizer que Belchior canta mal é algo discutível. Na verdade, para mim, é erro dizer isso, mas respeito as opiniões contrárias.

    Considero-o (e também disse na postagem) um grande compositor. Talvez não tão criativo quanto alguns (Chico, Caetano, Edu Lobo, Gil), mas certamente bem melhor do que a maioria. E do que esse povinho que está na moda há uns dez anos – Zeca Baleiro, Arnaldo Antunes, A. Calcanhoto e outros badalados -, sem dúvidas. Está léguas à frente.

    Tálib Reply:

    Eu acho também Francisco. Não gosto dele como cantor, mas é um bom compositor, sem dúvidas. Mas, como disse, é menosprezar muitos outros dizer que Belchior é o maior de todas as épocas.
    Sem querer minimizar o compositor Belchior, Grijó, vc há de convir que superar os outros que vc citou não é muito difícil.
    Adriana Calcanhoto, de modo especial, é péssima. Como cantora e nem sabia que ela era compositora também!

    Ariel Hebert Reply:

    Olá Grijó!
    Farei o possível para ser o máximo em imparcialidade nesta resposta. Antes de mais nada, há tempo, muito tempo que não retorno cá neste excelente blog. Grato pelo comentário sobre meu texto de 15 de janeiro. Outrossim, viajando e analisando a frio a obra belchioresca, cheguei a conclusão que até mesmo os próprios fãs desconhecem a profundidade e diversidade criativa do bigodudo. Muito foi devassado a respeito de Gil, Caetano e Chico – e creio que eles, com seu devido valor iconográfico na história de nossa cultura, não são desmerecidos – mas os acho intrinsecamente repetitivos… Chico, como o pai, gramatical; Caê – que gosto muito – cheio de firulas de rimas e efeitos pirotécnicos bahianos-caymianos; Gil e seu apego atemporal por filosofias alienígenas, mas nada anacrônico. Não quero exaltar suas carências mas sim o seu valor incalculável. O ponto comum entre eles é justamente suas estéticas amplamente favorecidas, coisa que não acontece com o nosso Belchior.

    Alguns aí acima o chamam de compositor pífio (!?), de cantor sem variabilidade tonal ao cantar… E chamo a isso de esteticismo de bobo, apedeuta e pedante, de quem possui um conhecimento musical – e logo, cultural – muito fechado ou/e limitado. Ouvindo suas canções, seu lirismo, seu sentimento de acentuado apego à dignidade e identidade dos nordestinos, sua mesclagem de sons modernos e tradicionais, das intersecções com as mais variadas vertentes da literatura, brasileira e universal, bem como da filosofia tão bem incrementada em suas letras deixa bem clara a ideia de que não se trata de de um compositor medíocre ou “pífio”. Recomendo a leitura para quem quiser ler da dissertação de mestrado em Linguistica da MS. Rosely Teixeira Carlos (que após mandarei o link para baixar), que ratifica o que eu disse.

    Conquanto a posição de “cantor de voz anasalada e fanhosa”, tanto é verdade que no texto de “Onde Jazz Meu Coração” ele confirma com a coragem e verdade de quem é macho suficiente para declarar em alto e bom som: – “A minha voz, rara taquara rachada, vem soul-blues do pó da estrada e canta o que a vida convém” – portanto, meus caros colegas e estetas oligóides, a beleza é vista para quem quiser. Não é apenas uma questão de gosto. É uma questão de percepção. Por isso o escolhi como “Maior Compositor de Todos os Tempos” na nossa atual – e árida – MPB. Assim como uma grande maioria prefere Elis Regina como cantora-mór do Brasil, eu escolhi Nara Leão, pela beleza exemplar que enxerguei. São duas magnanimidades, mas, agora sim é questão de gosto. E eu garanto: comecem a ouvir mais canções do Bel, além daquelas 10 ou 20 mais que todo mundo conhece, e vai perceber o que falo. E é bom saber que ele se sente feliz, segundo suas próprias palavras, “muito amado e requisitado” ao saber que sentem sua falta no cenário da cultura musical brasileira contemporânea. A minha opinião é mais uma manifestada e não tenho intenção de fazer o senhores concordarem com o que digo. Mas curti o Bel porque me identifico (ademais como descendente de nordestinos), porque acho nele letras inteligentes, que emocionam, alegram e por causa da voz singularmente cavernosa, fanhosa, de taquara rachada mesmo.

    Um forte abraço Grijó, perdoe só pelo peso do tom de um fã de Belchior – nada imparcial.

    grijo Reply:

    Eu é que agradeço, Ariel, pela clareza e pela beleza do texto. Tenho Belchior em altíssima conta – tanto que escrevi sobre ele, e o teor de minha postagem revela que sou fã.

    Algo de que muito gosto neste blog é a disparidade de opiniões, sempre observando o respeito à contrariedade, à dialética. Concordo com tudo o que vc falou sobre Belchior – inclusive que ele merece um estudo aprofundado de sua obra. Minha discordância reside no fato de vc considerar Caetano repetitivo. Sou fã de Chico e de Gil, e chego a corroborar com a idéia de que que a obra musical (e literária também, com exceção para o teatro) do compositor carioca tem-se baseado nas repetições, o que não é, necessariamente, comprovação de má qualidade. Gil também não vai muito adiante: mantém-se tropicalista tanto quanto pode, revisitando África e Bahia. Mas é algo para se discutir, sim.

    Quanto a Caetano, bem, aí eu levo em conta a inquietação de sua produção que, independentemente do caráter subjetivo de quem a julga, é uma produção que busca inovar, dentro de padrões da própria emepebê. Dia desses resolvi ouvir os discos dele, entre 1975 e 1984 – ou seja, de “Qualquer Coisa” até “Velô”. São discos distintos entre si, com arranjos e temas que chegam a se contradizer, cheio de ritmos que fazem os puristas (já fui um) rosnar de desconfiança.

    Animo-me até a escrever sobre o assunto. Quem sabe?

    Abraço, amigo, e volte sempre.

    Ariel Hebert Reply:

    Olá Grijó!

    Me causou uma certa apreensão o efeito do texto anterior. Até porque, admiro muito a façanha, que pode se dizer heróica destes compositores durante os “anos de chumbo”. Não quis relevar um celeuma em torno do nome de Caetano, ainda mais que ele é um dos artistas mais versáteis e criativos de nossa música popular. Se é para eleger um disco, eu escolheria o que possui as canções “Atrás do Trio Elétrico”, “Os Argonautas”, “Acrílico” e “Cambalache”. Não tenho conhecimento mais minucioso, mas gosto dele em todas suas fases: desde a bossa-tropicalista à fossa (ou brega, como queiram) experimentalista. Esse papo passadista de purista exegeta já caiu por terra. Estamos no Brasil, e isso admite que não tenhamos esses excessos de esteticismo. Entre idas e vindas, Caê nunca perdeu a dura ternura, seja pela Bahia, seja pela América Latina, ‘around the World’. Nunca quis taxá-lo de repetitivo. Sampa até hoje me toca o coração, ademais, a dedicaria à minha querida cidade de Goyaz, dos meus tempos de estudante.

    Agora, apesar de serem consagrados cantores populares, considero Chico repetitivo por causa da “carioquização” da cultura brasileira, a tietagem de fãs afoitas (não raro), neófitas e mal informadas. Já o Gil, que também tem ótimas canções, mas muito calcado no africanismo ultimamente. Isso não lhes retira o mérito, mas os torna mais herméticos. O que me aborrece é saber que há muitos fãs do Bel que estão erigindo esse altar de “ídolo intocável”, como se um artista popular de seu gabarito (assim como Caetano), fosse para uma minoria de privilegiados. É o cretinismo da pequena-burguesia concentradora dos ‘podres poderes’…

    O grande perigo de hoje é a confusão que se faz do conceito de artista popular, ou seja, daquele que se vende a grande mídia em busca do ouro de tolo, daquele que acaba (sempre postumamente) sendo mitificado, como o Raul, e aquele, que apesar da crítica e da grande maioria do público desdenhar, possui fãs leais e em escala crescente com o passar dos anos e por último, um grupelho de artistas meia-boca que tem uma carreira média, promovidos pelas MTVs e Biscoitos Finos da vida e outros meios fechados, alienadores e formadores de opiniões distorcidas. Antes todos estes acima se apresentavam no Chacrinha. Tem fãs que dão chilique de verem seu artista predileto, por causa do peso do nome, em algum programa de auditório. O sinônimo de popular está sendo marginalizado, favelizado, por conta dessas ondas segregadoras promovidas por interesses meramente financeiros. A cultura não está sendo privilegiada. Nada mais fácil do que rimar um purista com pueril, com puritano…

    Com o surgimento da internet, as formas de se democratizar e tornar acesíveis a obra de cada artista são infinitas. Faço questão de disseminar tudo o que tenho pra meus amigos e interessados em matéria de música, principalmente. E vejo que eles conseguem entrar na mesma aura de encantamento, independente de ser um modismo ou fruto de campanha midiática.

    Isso é o que faz Caetano, Belchior e muitos outros imunes a essas viroses intermitentes… Favor desculpar por este jornal… Um grande abraço e aguardo um artigo sobre Chico Gil e Caetano!

    grijo Reply:

    Ariel, meu caro, mais uma vez agradeço sua colaboração.

    Dia desses, comentando – e patilhando informações – sobre a concepção literária do “Tropicalismo” a meus alunos, afirmei que os “anos de chumbo” não atingiram diretamente os textos de Caetano e Gil. Os tropicalistas, na verdade, incomodaram os militares muito mais por conta das atitudes do que das “letras comprometidas com a realidade social”. Lendo sobre o assunto, encontrei uma discussão interessante sobre o fato de como Caetano e Gil, justamente por conta de não terem, em termos musicais, diretamente se confrontado com o regime militar, não gozaram, por parte da “intelligentsia”, do status que Chico Buarque e Edu Lobo, por exemplo, usufruíram. É um ponto interessante a ser discutido. Talvez eu o leve adiante.

    Mas voltemos à questão. Não compreendi exatamente o que vc disse ao afirmar que “esse papo passadista de purista exegeta já caiu por terra. Estamos no Brasil, e isso admite que não tenhamos esses excessos de esteticismo.” Mas por que não? Realmente não alcancei.

    Conversando com o publicitário – excelente, aliás – que trabalha para minha escola (ou para a escola em que sou responsável pela publicidade), discutíamos justamente isso que vc falou no desfecho de seu comentário: a internet democratiza e torna acessíveis a obra dos artistas. Concordo, mas ainda acho que a coisa engatinha, pelo menos em termos de Brasil adolescente. Fiz uma breve pesquisa com alguns alunos, entre 17 e 18 anos, pré-vestibulandos todos, e eles me afirmaram que a MTV e as FMs ainda dão um banho na internet em termos de informação musical. Veja só! E não podemos nem falar em “democracia” nesses veículos.

    Abraço, amigo.

    p.s. já escrevi um bocado sobre Chico e Caetano. Devo uma resenha decente ao Gil.

    Ariel Hebert Reply:

    Olá, meu caro Grijó!

    Quanto ao termo mal compreendido que você pontuou, falava justamente dos famigerados ‘puristas’, figura que tem caído em descrédito. Falei deles porque assim como acontece com Caetano, Gil, Chico e Tom Jobim, estão erigindo esse “altar de intocabilidade” para o Belchior depois que a mídia o procurou (ou incomodou) nas últimas semanas.

    Andei entrando em choque com um grupo de fãs (recentes e deslumbrados) que acham que ele é um compositor para poucos, dando um status elitista que paradoxalmente contra o que ele descreve em sua vasta obra. Pessoalmente, tenho asco disso. No Brasil pós-moderno e redemocratizado, talvez justificado pela queda da qualidade das produções atuais, esse “nicho” dos que se acham privilegiados tem crescido assustadoramente – repito – por culpa de veículos como a MTV e outros canais acessíveis a uma pequena parcela da população.

    Essa má influência traz a baila a antiga separação da casa grande e da senzala. Como disse um amigo meu, hoje a porta da casa grande está aberta para todos queiram entrar, só que uns desejam mantê-la fechada. A democratização de acesso à informação é a porta principal. Como divulgador, me sinto incomodado com o pedantismo e síndrome de falsa nobreza dessa gente.

    Acredito que a geração da bossa nova, do tropicalismo e do brock necessita de continuidade. Infelizmente, ainda recorremos ao passado quando desejamos encontrar a modernidade e a criatividade.
    A juventude brasileira do século XXI ainda está em tempo de poder mostrar seu potencial e ser independente da grande mídia, a partir do momento em que ela perceber que precisam se libertar do ciclo de alienação e de que sua geração necessita imprimir sua marca na História.

    Aí sairemos desse moto-contínuo (ou eterno retorno) entre passado e presente.

  63. #63 Fátima Ferreira
    on Aug 31st, 2009 at 12:13 am

    Belchior não é apenas um rapaz latino americano, é um cantor e compositor que merece todo o nosso respeito a admiração…precisa voltar logo para o Brasil, pois tem muita gente que gosta de música de qualidade assim como a de Belchior.

    abraços…

  64. #64 vivian
    on Aug 31st, 2009 at 1:58 pm

    bem, tenho 27 anos, e amo as músicas do belchior, desde que me entendo por gente. adoro a voz dele, sua interpretação e suas composições. sinto falta de seus shows e tenho absoluta certeza de que se ele aparecer aqui em niterói vai ter briga pra comprar ingresso. acho um absurdo o sensacionalismo que a globo tem feito em cima do nome dele….e outras emissoras e jornais também. quem de nós pode bater no peito e dizer que nunca pensou em mudar de vida, sumir do mapa, fazer as malas e recomeçar. triste pros fãs? sim, sem dúvida! mas é um ótimo exemplo do que milhões de pessoas tem vontade de fazer e pouquíssimos tem coragem.

  65. #65 vivian
    on Aug 31st, 2009 at 2:00 pm

    acho triste que ele nunca tenha recebido a devida atenção e reverência nesse país cheio de lacraias, netinho de paula, bello e outras coisas sinistras que classificam grosseiramente como música.

    grijo Reply:

    Sem contar padres cantores, sertanejo universitário, pseudo-rock, axé e outras inutilidades.
    Um fio do bigode de Belchior vale esse povo todo.

  66. #66 carlota
    on Aug 31st, 2009 at 2:05 pm

    belchior é ótimo! pena nunca ter sido reverenciado como merecia nesse país de merda em que mcs chulés, bellos e kelly keys da vida ganhem título de cantores. nojento. absolutamente nojento. belchior é fantástico e precisamos de um show dele logo, logo por aqui. pq ele faz muiiiiiiiiiiiiiiita falta nesse deserto assustador.

    grijo Reply:

    De acordo, Carlota.

  67. #67 Glória Dantas
    on Sep 1st, 2009 at 10:37 am

    Carlota , mas tu “falou” bonito .. valeuuuuuuuu

  68. #68 Antonio Carlos de Carvalho
    on Sep 4th, 2009 at 9:28 pm

    Fico tremendamente feliz por encontrar aqui pessoas que veem em Belchior não apenas um cantor …latino americano.. etc e sim um poeta.. que jamais se vendeu ao sucesso fácil e comercialesco..
    Devíamos estar todos juntos num show do Belchior. Assisti um show dele aqui em Araçatuba/SP em 2000, tenho um CD dele autografado pelo próprio pra mim e minha mulher, que também o admira muito. Somos mais do que fãs.. admiramos esse cara. Cheguei a ir ao camarim e conversar com ele.. confesso que quando fiquei frente a frente fiquei meio paralisado e mal sabia o que dizer, mas consegui trocar algumas palavras com ele.
    Quem não o conhece, procure conhecê-lo. Comece pelos discos dos anos 70 e 80. Com as músicas que ele fez, e faz, pouco me importaria a sua voz. Mas, aposto que se ele não tivesse justamente esta voz que tem, não seria o mesmo. Belchior declama seus poemas… é, e deveria ser considerado por todos, o arauto das coisas do Brasil.
    Em tempo, o show foi uma maravilha, estavam lá pessoas que eu julgava que nem existiam, pois eu achava que somente eu admirava o Belchior dessa maneira! Vi que somos muitos.
    E que ele volte logo a ser o oásis nesse deserto que vemos crescer a olhos vistos na nossa musica brasileira.

  69. #69 Antonio Carlos de Carvalho
    on Sep 4th, 2009 at 10:30 pm

    Francisco Campos:
    se você quer ouvir cantor de primeira, vá ouvir srtanejo, chitãozinho e xororó, etc.
    Que adianta uma bela voz se a música é um lixo?
    Não precisamos de rouxinóis e sim compositores, se bem que acho que o rouxinol compõe a própria música.
    Francisco, o papagaio da minha vizinha canta que é uma beleza também.

  70. #70 luiz vianna
    on Sep 11th, 2009 at 6:15 pm

    olha eu vi belchior de perto, bati muito papo com ele. Pra mim e um dos melhores do Brasil. Bel, obrigado pela musica em homenagem a Che Guevara diz assim: se alguem vier lhe perguntar por onde andei / no tempo em que voce sonhava… Valeu, volta logo para cantar pra gente.

  71. #71 Helder Gularte
    on Oct 30th, 2009 at 5:20 am

    Tantos comentários, alguns inteligentes e bem escritos, outros – sejam os leitores, juízes.

    Fui compelido a deixar também meus “dois centavos” de opinião.
    Cada qual têm suas visões acerca da qualidade, como cantor
    como compositor, e alguns até mesmo como pessoa – deste artista brasileiro.
    Hoje, ao que parece, Belchior optou por hospedar-se no “ostracismo”, em um quarto com janela para o “nada”.
    Não tenho certeza, mas creio que Belchior foi um dos vários artistas exilados durante um dos períodos negros da história brasileira, quando a falência das instituições brasileiras levou também ao término da
    liberdade de expressão, situação incompatível com a proposta de vida desses seres de talento peculiar, grupo do qual esse artista faz parte.
    Se é este o motivo, devemos primeiro tentar entender as raízes do problema. Então vejamos o Brasil de hoje.
    Observa-se a falência dos meios de divulgação artistísticos – rádio e televisão – causada pela busca do lucro fácil, calcando-se na multidão de cérebros menos dotados de jovens ávidos pela insensatez do “axé bunda”, e na falsa imposição de “sucessos”, criados artificialmente pela propina de gravadoras inescrupulosas.
    Falência dos meios de distribuição das gravações, que falham em pagar aos artistas os direitos autorais justos, e a também falência dos valores morais, que não vêem como roubo a distribuição gratuita do trabalho desses mesmos artistas, dos quais se julgam fãs.
    A lista de setores falidos, diretamente ou indiretamente relacionados com o meio artístico é extensa e aborrecida, além de já discutida incontáveis vezes por toda a parte; eu seria somente mais uma gota d’água em um oceano.

    Basta analisar a situação para deduzir que é justo que Belchior tenha se auto-exilado. Quantos outros brasileiros, anônimos foram por esse caminho, a buscar paz de espírito, qualidade de vida, segurança pública, entre outros motivos?
    Para brasileiros não-famosos, não-poetas, sem dons artísticos, uma simples meia-hora de notícias é suficiente para gerar nojo. O que irá essa mesma visão causar em uma mente voltada à poesia, à descrição do cotidiano em rimas, à musicalidade dos temas urbanos, como vemos na obra de Belchior? A lamentável situação nacional tirou-lhe à matéria-prima para novas canções que não fossem de protesto. E protestar para quem? Para os surdos “300 picaretas com anel de doutor”, como um dia ressaltou a mais podre das maçãs do cesto?

    Belchior, se te tornaste, como eu, um auto-exilado, saiba que de mim, ao menos, tens apoio. Diferentemente de mim, que sou qualquer coisa, tu farás falta. Como disseste um dia: “O pecado nativo é simplesmente estar vivo; é querer respirar.”
    Nisso somos iguais: somos pecadores nativos.

    grijo Reply:

    Helder, agradeço seu comentário.

    Faço um adendo: quando vc afirmou – sem ter certeza – sobre o fato de Belchior ter sido uma vítima do “período negro da história brasileira”, isso gera uma discussão interesante. Belchior é notado como compositor a partir de gravações de Elis Regina e, assim que lança “Alucinação”, seu dicaço de 76, firma-se como um compositor de primeira linha (pelo menos penso assim), o que, de certa forma, situa-o num período de abertura política e menor intolerância, já que era fim do governo Geisel e o presidente Figueiredo daria as caras em 78. Claro que a censura ainda era forte, mas nem tanto quanto os ditos “anos de chumbo” do pós-AI-5 e do governo Médici, no início dos nos 70. Mas isso é dado, é quase acadêmico.

    Acredito que o problema maior – e vc acentuou isso muito bem, de forma bastante clara – está na incapacidade que o brasileiro atual tem de reconhecer um talento como o de Belchior. Há uma lamentável opção pelo axé, pelo sertanejo, pelo rap, pelo forró, pelo rockzinho banal – ou seja, pela “música fácil”, legitimada pelo dinheiro garantido das gravadoras (incluindo as multinacionais), das rádios em que o jabá fala mais alto e, acima de tudo, do público que somente se reconhece na mediocridade.

    O auto-exílio de Belchior é plenamente justificado, e radical. Não o condeno, assim como não condeno Chico Buarque por dedicar-se menos aos discos e mais àquilo que ele supõe ter mais valor: sua literatura. como também não condeno – e quem sou eu para condenar alguém??! – Caetano Veloso e seus “namoros” com a música jovem, com o rap e assim por diante.

    E o que é pior: a rede Globo invadindo-lhe a privatividade, indo atrás dele em terras estrangeiras, batendo-lhe a porta como se ele fosse um criminoso a esconder-se, como se fosse um facínora do colarinho branco que se refugiasse em sua casa de campo. Isso me entristeceu e me indignou. O próprio Belchior estranhou a balbúrdia em torno de seu “desaparecimento”. Não sou celebridade, disse ele. Não interesso a ninguém, só faltou dizer isso.
    Uma pena.

    Mas a muitos Belchior interessa, sim. E principalmente sua música.

  72. #72 Helder Gularte
    on Oct 30th, 2009 at 2:38 pm

    Agradeço os esclarecimentos, acerca do período de repressão oficial. Falha minha nunca ter pesquisado quem ou quando caiu vítima dos porões do DOI-CODI. Mesmo mais branda, qualquer injustiça é cruel, e portanto, inescusável.
    Hoje, a repressão cultural é velada, por imposição comercial, como já comentado.

    Não vejo a TV Globo ou outra emissora qualquer do Brasil. Somente vejo notícias brasileiras pela internet, e não muito frequentemente. Isso me evitou a tristeza de ver os abutres que, travestidos de repórteres, gostam de justificar seus abusos sob a premissa de “o público tem direito de saber”. E os direitos das vítimas desses abutres, quem defende? Mais um motivo para justificar a decisão de “sair de cena”, tomada pelo artista.
    Belchior, discordo (ou discordamos) da afirmação de que não és celebridade. Para nós outros que apreciamos boa música, és celebridade, sim. Não obstante, tens todo o direito de buscar privacidade, em que pese nossa perda.

  73. #73 Fernando
    on Feb 13th, 2010 at 12:42 pm

    fui no show do cara no teatro da ufpe .. uns 3/4 anos atras…
    o cara só faltou fazer o moonwalk…
    show inesquecível..

  74. #74 PAULO
    on Mar 13th, 2010 at 11:12 am

    Bem, nem sei como começar a falar de alguém quem esteve na fase mais difícil de um ser humano, a adolescência, mas devo afirmar que se Belchior poder ler estas simples linhas eu seria muito grato. Belchior é um gigante da MPB, é um artista nato, um ícone; sou seu fã, amo suas canções, choro demais ao lembrar e ver que ele falava, em suas canções, dos grandes poderes dominantes e hoje posso entender claramente isto. Fernando voce tocou na veia arterial da questão, parabéns cara. Marina, fácil foi é pra voce falar de Belchior e digo mais feliz foi voce de adquirir esta habilidade, parabéns e (uma crítica replicada) Antonio Carlos de Carvalho voce deve ser uma pessoa de ouvidos Harmônicos fora de nosso mundo “Belchior” o que é uma pena, talvez por não ter experimentado o sabor de lutar por um ideal sendo repreendido pela ditadura militar e seus adeptos, mas respeito muito sua visão, porem cada um tem a sua e voce pelo que disse não se encaixa na nossa, siga seu caminho e libere este espaço para quem verdadeiramente sabe o que é Belchior. Tenho 44 anos e sou fã incondicional deste cantor/compositor maravilhoso, que viveu a repreensão e lutou com suas letras feito navalha cortando a carne destes dominantes hipócritas, eu vivi trancado e amordaçado pelo regime, mas pessoas como ele lutaram por um objetivo em causa a liberdade de expressão, triste é ver que esta geração poster esta misturando liberdade com libertinagem. Um beijo no coração de todos os fãs desta fera Belchior, sendo um maior pra ele, e fiquem em paz e que Deus nos abençoe.

  75. #75 João Sobral
    on Jun 4th, 2010 at 2:51 pm

    …Deixem que eu decida a minha vida…

  76. #76 Vlad
    on Jun 21st, 2010 at 11:09 am

    Belchior é deus!

  77. #77 João Bryto
    on Jun 27th, 2010 at 9:58 am

    BELCHIOR É (SENÃO O MAIOR) GRANDE COMPOSITOR. LETRISTA. MUSICISTA E INTÉPRETE (NA MAIORIA DAS SUAS PRÓPRIAS MÚSICAS) DE TODA A MPB…BELCHIOR COMPÕE COM ALMA , SENTIMENTO E LETRAS DE UM POETA CONTEMPORANEO, LIGADO ÀS RAÍZES NORDESTINAS E AO PENSAMENTO ADOLESCENTE E REBELDE DOS UNIVERSITÁRIOS DA SUA ÉPOCA DE FACULDADE NO CEARÁ…
    BELCHIOR É ANTES DE TUDO UM POETA; PORISSO AS SUAS MÚSICAS VARAM ANOS E GERAÇÕES: AS OBRAS DOS POETAS NÃO MORREM E NÃO SUCUMBEM AO TEMPO.

  78. #78 Turco Diaz
    on Jul 3rd, 2010 at 12:45 pm

    Belchior? Quem é?
    Não sei porque vcs dão tanta importância a esses nordestinos musicalmente inferiores. Note que não falo com preconceito social, mas com conceito musical. Ou acham mesmo que Belchior tem uma importância comparável à de C. Buarque, Cartola, Edú lobo etcétera? Ora, vejam!!!!

    grijo Reply:

    Então tá, Turco Diaz.

  79. #79 Antonio Carlos de Carvalho
    on Jul 10th, 2010 at 12:41 pm

    Ao Turco Diaz. Ainda bem que a sua opinião isolada não muda coisa alguma. A minha também não.. a diferença é que a minha vem acompanhada de centenas aqui.. ainda bem que o Chico Buarque pensa diferente de você, assim como o Caetano, o Gilberto Gil.

  80. #80 Pedro
    on Sep 8th, 2010 at 1:57 am

    Belchior é o maior compositor da música popular brasileira.

    E por não ter se vendido ao lucro fácil das gravadoras, e por isso mesmo não ter se tornado brega (apesar dos discos dos anos 80, quando abandonou os arranjos inteligentes a adotou o teclado eletrônico), como outros de sua época o fizeram, como Fágner e Caetano Velosos por exemplo, sou seu fã.

    E fico feliz sempre que vejo outras com bom gosto.

  81. #81 Arlei Júnior
    on Mar 3rd, 2011 at 10:40 pm

    Belchior é, realmente, um dos maiores compositores que o Brasil já teve.
    Quando falamos de MPB não podemos deixa-lo de lado.
    Quando garoto, na decada de 70, eu e minha turma ouviamos as rádios e suas canções, sempre presentes, nos estasiava. A classe universitária, o tinha como ícone, juntamente com compositores como Milton Nascimento e Chico Buarque, bem diferente de hoje, onde falamos de “sertanejo universitário”. Pois é, a cultura está decadente, talvez por isso, Belchior anda sumido. Inteligencias como a dele requer grau cultural do mesmo nível para compreende-lo. De qualque forma, sempre aguardamos que apareça novamente, juntamente com uma melhora da cultura brasileira, que também anda sumida. Como ele já dizia “…. Eu quero é que esse canto torto, feito faca, corte a carne de vocês… “.
    Valeu Belchior, até breve !

  82. #82 Dilma
    on Jul 21st, 2011 at 12:19 am

    Nasci em 1977 e descobri Belchior em minha adolescencia. Um ótimo compositor e cantor de voz forte e marcante, só lamento nunca ter tido o prazer de assistir a um de seus shows.
    Gostaria que ele voltasse aos palcos.

  83. #83 eduardo
    on Oct 5th, 2011 at 1:22 pm

    alô! Belchior. pô! cara!por onde andas? porque os grandes músicos desaparecem da mídia tao rápido? aí ficam essas merdas q temos q aturar, no dia a dia! vlw! uma abraço!

  84. #84 temistocles de recife.
    on Oct 30th, 2011 at 4:02 am

    amigos eu tenho um carinho muito grande por belchior, em 80 eu tinha uma namorada e ela mideu um vinil . fotografia 3×4,galos noite e quintais como nosso pais,paralelas.todas essas letras e musicas sao de sua autoria.depois o namoro acabou. hoje tenho 15 discos dele.ele e fantastico e e um cara simples.olha quando ele estava sumido e foi encontrado ,a reporte perguntou todo brasil esta sentindo sua falta .e ele falou eu nao sou um cantor importante ; olha cara voce e maior cabeça pensante desse pais.quando vim em recife,ligue para min ou entre no meu email gostaria de te receber na minha casa, que e tao humilde igual a voce . e ouvimos uma das mas belas obras suas, o vinil corte de cebola que foi sua primeira conquista no festival. com a musica na hora do almoço.um grande abraço desse amigo que nunca vai deixar de ouvir as tuas obras de arte. meu f.964706444.

    Grijó Reply:

    Temístocles, fico contente de saber que há fãs de Belchior espalhados pelo país. Mas “Fotografia 3X4″ e “Como nossos pais” não estão no mesmo disco que “Paralelas” e “Galos, Noites e Quintais”, pelo menos não nos discos oficiais.
    Vc fala de alguma raridade pirata? Gostaria de saber. sou colecionador da obra de Belchior também.
    Abraço.

  85. #85 gracindo t. rodrigues.
    on Nov 1st, 2011 at 8:52 pm

    -É uma pena que o Brasil tão cheio de esperanças; não consiga enxergar o potencial de tão grande cantor como é o Belchior. E saber que a mídia se esconde em tão pouco terreno, e desta forma vira as costas para um filho seu… -brasil agora com letra minúscula… Belchior você é muito maior.

  86. #86 Sara Maria Barbosa
    on Dec 15th, 2011 at 5:01 pm

    Amo Belchior!
    Só fui há um show dele em minha cidade tem uns 15 anos.
    É meu compositor preferido, pena que está sumido, mas acho mesmo que o Brasil não merece Belchior.

  87. #87 Rafael Oliveira
    on Jul 21st, 2012 at 12:27 pm

    Realmente, fico indignado com tanta exclusão em relação ao grande Belchior, mas, parabenizo todos que aquí demonstraram bom gosto e cultura em relação ao grande compositor; É assim mesmo! a vida artística, da qual faço parte tem muito disso. O sucesso é cheio de mistério, muitos não conseguem entender que nesta vida tudo têm limite e fim, e, sendo assim acabam no ostracismo muitas vezes criado por sí mesmo, pois, o bom público nunca nos esquece. O Belchior têm público certo a qualquer hora e em qualquer lugar, ou ficou rico ou partiu para outro tipo de atividade, parado não pode estar. Um abraço do compositor Raffa.

  88. #88 Gracindo Trindade Rodrigues
    on Jul 26th, 2012 at 10:58 pm

    O que é que pode fazer, um homem comum neste presente instante, se não sangrar, tentar inaugurar, a vida comovida inteiramente livre e triunfante. O que é que eu posso fazer, com a minha juventude, quando a máxima saúde, ou, e a pretender, usar a voz. O que é que eu posso fazer um simples cantador das coisas do porão, Deus fez os cães da rua pra morder vocês, que sobre a luz da lua, nos tratam como gente é claro; aos pontapés… E é assim que esse cara humilde canta e encanta. Um dos maiores cantores desse país, e que talvez possa ter se zangado, por não aguentar ver mais a impunidade, e se sentir de braços atados. De uma coisa eu sei. Sempre terá gente inteligente para te ouvir sempre. Te trago como vives e és, único no meu coração. VOLTA BELCHIOR, POR FAVOR VOLTA.